Complexo Multidisciplinar Tarcizo Freire
Convívio Social

TJ, CNJ e Governo criam Escritório Social para reinserir presos à sociedade

Alagoas é o terceiro estado a implementar Escritório

26/11/2019 17h03Atualizado há 2 semanas
Por: Cláudio Roberto
Fonte: ASCOM TJ-AL
43

Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Governo de Alagoas assinaram termo de cooperação técnica para a implantação do Escritório Social no estado, nesta terça-feira (26). O equipamento encaminhará presos recém-saídos do sistema para capacitação profissional e empregos.

Alagoas é o terceiro estado brasileiro a implementar o Escritório, que é uma iniciativa do CNJ. O equipamento estará em operação em cerca de 30 dias. Assinaram o documento o presidente em exercício do TJAL, Sebastião Costa Filho; o presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli; e o governador Renan Filho.

O Tribunal de Justiça de Alagoas trabalhou para a implantação do Escritório e vai colaborar com computadores, móveis, servidores e recursos. “O entendimento maior do nosso Poder é dar condições para que os presos tenham uma vida mais digna. Está provado que o homem quando é bem tratado, a tendência é voltar para a sociedade com dignidade”, afirmou Sebastião Costa.

De acordo com a Secretaria de Estado de Ressocialização (Seris), o escritório atenderá todos os presos a partir do momento em que estejam a seis meses de sair do regime fechado. Eles receberão assistência psicossocial e serão encaminhados para serviços públicos de educação e saúde.

Para o ministro Dias Toffoli, a medida beneficia não apenas os apenados, mas toda a sociedade, porque reduz a violência. “Inaugurar um equipamento comprometido com o enfrentamento da exclusão social é algo de extrema relevância e deve ser celebrado. O processo de privação de direitos marca fortemente a vida das pessoas que passaram pelo sistema prisional e isso não pode ser ignorado”.

Atualmente, mais de mil presos já trabalham em Alagoas. O governador Renan Filho ressaltou que o índice de reincidência entre esses reeducandos, ao saírem da prisão, é de apenas 2%. “O sistema prisional existe não para encarcerar pessoas, seres humanos. Existe para recuperá-los e reinseri-los no mercado de trabalho. Durante muito tempo no Brasil deixou de fazer isso, fez mal, piorou quem lá entrava”, disse Renan.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários